LOGIN

PERGUNTAS ANTERIORES



  • Caso clínico 4 - Pergunta 5: Frente ao estadiamento patológico ypT3 ypN0 (0/35) TRG1 após 4 ciclos de FLOT, qual a conduta recomentada?

    • Adjuvância com quimiorradioterapia pela persistência de ypT3.
    • Realizar mais 4 ciclos de FLOT seguidos de quimioradioterapia.
    • Realizar mais 4 ciclos de FLOT.
    • Adjuvância com CAPOX conforme estudo CLASSIC.
    • Iniciar follow-up.
  • Caso clínico 4 - Pergunta 4: Após 4 ciclos de FLOT e exames mostrando doença estável, qual a conduta recomendada?

    • Interromper a quimioterapia e submeter paciente a Gastrectomia D2.
    • Completar 8 ciclos de FLOT e realizar novos exames de imagem para definir papel de cirurgia.
    • Trocar o esquema de quimioterapia para protocolo com outras classes de drogas ativas em câncer gástrico, antes de realizar a gastrectomia D2.
    • Realizar quimioradioterapia e, após, gastrectomia D2.
    • Gastrectomia D2 e tratamento adjuvante conforme achados anatomopatológicos da peça cirúrgica.
  • Caso clínico 4 - Pergunta 3: Considerando o estadiamento cT4N0M0 e os achado dos demais exames, qual a estratégia com melhor evidência científica?

    • Gastrectomia D2 e quimioradioterapia pós-operatória.
    • Quimioterapia neoadjuvante com FLOT, seguida de quimioradioterapia e gastrectomia D2.
    • Quimioterapia perioperatória com ECF (ou modificações) e gastrectomia D2.
    • Quimioterapia perioperatória com FLOT e gastrectomia D2.
    • Gastrectomia D2 e tratamento adjuvante conforme achados anatomopatológicos da peça cirúrgica.
  • Caso clínico 4 - Pergunta 2: Frente a estes achados, é correto afirmar que:

    • Ecoendoscopia é importante para tomada de decisões.
    • PET-CT tem alto rendimento neste tipo de tumor.
    • RNM deve ser realizada para melhor avaliação do envolvimento hepático.
    • Laparoscopia com lavado peritoneal é recomendada pelo risco significativo de carcinomatose peritoneal.
    • Os achados das tomografias já são suficientes para definir a estratégia terapêutica.
  • Caso clínico 4 - Pergunta 1: Dos exames abaixo, qual é o mais importante para o estadiamento neste momento?

    • Ecoendoscopia
    • PET-CT
    • TC tórax, abdome e pelve
    • Laparoscopia
    • Alterantivas A e D
  • Caso clínico 3 - Pergunta 5: Paciente decidiu criar um blog para disseminar informações sobre sua doença, mas antes te procurou para checar sobre a veracidade dos fatores de risco para câncer de colo uterino encontrados na sua pesquisa pela internet. Dentre as alternativas abaixo, qual não é verdadeira:

    • O uso de dispositivo intra-uterino não está associado a um maior risco de câncer de colo uterino.
    • Tabagismo é um fator de risco para câncer de colo uterino.
    • Um intervalo curto entre menarca e coitarca é um fator de risco para câncer de colo uterino juntamente com múltiplos parceiros sexuais.
    • A vacinação em mulheres acima de 25 anos parece reduzir a infecção persistente por HPV e lesões cervicais associadas ao vírus.
    • A infecção persistente por HPV leva à incorporação dos genes E6 e E7 ao DNA das células cervicais culminando com inativação de TP53 e ativação de RB1.
  • Caso clínico 3 - Pergunta 4: Paciente iniciou tratamento. Ela volta hoje ao seu consultório para checar a data do último ciclo de quimioterapia antes do parto e esclarecer dúvidas sobre parto. Dentre as alternativas abaixo, assinale a mais apropriada para esta paciente:

    • Os ciclos de cisplatina e paclitaxel devem continuar de maneira regular a cada 3 semanas até que a paciente entre em trabalho de parto.
    • A via vaginal é a preferencial para o parto desta paciente.
    • Os ciclos de quimioterapia devem ser interrompidos preferencialmente por volta de 3 semanas antes do parto; o parto cesárea é o indicado para esta paciente.
    • A cisplatina deve ser suspensa nos últimos ciclos de quimioterapia antes do parto já que o maior risco de citopenias associado a poliquimioterapia teria implicações na morbidade puerperal. Somente paclitaxel deve ser administrado de maneira regular até que a paciente entre em trabalho de parto.
    • No parto cesárea , proceder com histerectomia, ooforectomia bilateral , omentectomia infracólica ,linfadenectomia pélvica e para-aórtica.
  • Caso clínico 3 - Pergunta 3: Você indicou quimioterapia para esta paciente e deve esclarecer sobre possíveis efeitos colaterais associados a este tratamento, bem como frequência de administração dos agentes quimioterápicos. Dentre as alternativas abaixo, qual é falsa?

    • A quimioterapia na gestação aumenta o risco de baixo peso ao nascimento.
    • Os níveis baixos de albumina na gestação estão associados a maior concentração de cisplatina livre na mãe e no feto o que teoricamente poderia aumentar a toxicidade associada a esta droga, incluindo ototoxicidade.
    • O paclitaxel deve ser realizado em infusão lenta em aplicações semanais já que este esquema se mostrou menos tóxico para gestantes.
    • A cisplatina e o paclitaxel podem ser administrados a cada 3 semanas.
    • Bevacizumabe não está indicado para esta paciente.
  • Caso clínico 3 - Pergunta 2: Paciente realizou exames de imagem e foram encontrados linfonodos pélvicos suspeitos para acometimento secundário, bem como invasão de paramétrio. Recentemente, vem se queixando de sangramento esporádico de pequeno volume e constante dor pélvica. Paciente reiterou que deseja levar a gestação a termo e entende os riscos. Deseja iniciar um tratamento que possa aliviar seus sintomas até o parto e possivelmente evitar a progressão da doença. Qual o tratamento mais apropriado para esta paciente:

    • A linfadenectomia se mostrou segura para esta idade gestacional com ganho em sobrevida global. Assim, este seria o primeiro passo para esta paciente.
    • A combinação de cisplatina, paclitaxel e bevacizumabe mostrou ganho em sobrevida global em primeira linha e assim, deve ser a escolha para esta paciente.
    • Como a paciente apresenta sintomas pélvicos, a conduta mais apropriada é encerrar a gestação e iniciar radioterapia.
    • Combinação de cisplatina e paclitaxel a cada 3 semanas.
    • Observação clínica e paliação dos sintomas com analgésicos até o parto já que o risco de má-formação fetal é alto neste período gestacional.
  • Caso clínico 3 - Pergunta 1: Qual o conjunto de exames mais adequado para o estadiamento e planejamento de tratamento desta paciente:

    • Ressonância de abdome e pelve com gadolíneo e tomografia de tórax com proteção abdmominal.
    • Tomografia de tórax e ultrassonografia de abdome.
    • Exame físico detalhado, urografia excretora, enema opaco, radiografia de tórax com proteção abdominal.
    • Exame físico, radiografia de tórax com proteção abdominal, ultrassonografia de abdome com avaliação de vias urinárias e/ou ressonância de abdome e pelve sem gadolíneo.
    • Exame clínico é suficiente pelos guidelines da FIGO.